Adoçante faz mal? Descubra porque ele pode ser o vilão da sua dieta

Por Diane Leal

Há muito tempo, os adoçantes artificiais entraram no mercado com uma grande força e uma justificativa bem apelativa. Focaram em mostrar o que as pessoas queriam ouvir: que a quantidade de calorias dessas substâncias que é zero. Infelizmente, a contagem de calorias ainda é algo muito marcada na mente das pessoas e, dessa forma, lançaram a ideia de que os adoçantes seriam a melhor escolha para quem quisesse sentir o sabor doce dos alimentos sem ingerir nenhuma caloria. Parece mágico até realmente falarmos sobre a realidade desses produtos.

No começo de sua fama ele foi utilizado até para amenizar a diabetes, obesidade, doenças cardíacas, etc, no entanto, a realidade é bem outra. Por isso, vamos esclarecer de uma vez por todas: adoçante faz mal? Qual o melhor jeito de adoçar o cafézinho? Fique aqui que vou te explicar!

Por que o adoçante faz mal?

Toda vez que ingerimos açúcar ou qualquer outro tipo de carboidrato, como arroz, pão e raízes, o nível de glicose do nosso sangue sobe e então o nosso corpo libera insulina, hormônio que permite que o açúcar do sangue seja introduzido em nossas células para ser usado como energia ou armazenado como gordura.

O uso contínuo de adoçantes interfere nesse processo, pois a insulina é liberada em resposta ao sabor doce do adoçante e o seu uso regular muda o equilíbrio de nossas bactérias intestinais. Isso torna nossas células resistentes à insulina que produz, causando o aumento dos níveis de açúcar no sangue e insulina.

Existem diversos tipos de adoçantes artificiais e, a cada tipo, nosso corpo responde de uma maneira diferente. Para exemplificar, vou destacar o adoçante mais utilizado:

Adoçante aspartame:

O adoçante aspartame tem o poder de aumentar a resistência a leptina, um hormônio que atua na regulação do metabolismo e, consequentemente,  você sentirá mais fome e a saciedade não será atingida. Mas esse é o menor dos problemas. O  aspartame é composto por substâncias nocivas ao nosso corpo, como o ester metil, que ao ser metabolizado se transforma em álcool metano, que é extremamente tóxico para o nosso fígado e sistema nervoso, além de muitos outros males que ele causa.

Adoçante sucralose:

A sucralose, que já foi considerada benéfica, é feita a partir de moléculas cloradas, sendo diretamente tóxica à tireóide, pele, estômago, mamas e próstata! Então, dispende e esqueça da antiga fama de boazinha dela.

Adoçante stévia:

Mas calma! Existem alternativas saudáveis para preparar seus docinhos sem medo dos efeitos colaterais. Minha recomendação é o adoçante stévia, que é um adoçante natural, derivado da planta stévia rebaudiana. Você pode encontrá-lo no supermercado em forma de pó ou em gotas. Sempre se atente nas embalagens dos adoçantes stévia, pois muitas vezes são adicionadas outras substâncias artificiais para diminuir o custo do produto. Certifique-se de que ele é 100% stévia!

Mas atente-se!

O uso de adoçantes, mesmo os naturais, deve ser feito de forma esporádica, em preparações ocasionais. No dia-a-dia, tente sentir o gosto natural que o alimento tem, reduzindo ao máximo a quantidade de açúcar e adoçantes. Tudo é questão de persistência. Te garanto que após alguns dias tomando o café sem adoçar você estará apreciando seu sabor amargo!

Quem aí já toma o cafézinho sem adoçar? Como foi pra você tirar o açúcar ou o adoçante do café? Responda lá no post do Instagram sobre os adoçantes, vou adorar saber!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *