A realidade dos negócios fitness diante da Covid-19

O mercado fitness foi um verdadeiro guerreiro no ano de 2020. Enfrentou uma batalha hercúlea e a superou. Quando estava se recuperando e rumando para um 2021 mais tranquilo, veio o aumento de casos e novas restrições.

Atualmente, a maior parte dos negócios fitness brasileiros encontram-se fechados. Algumas cidades estão em lockdown, onde apenas serviços considerados essenciais, como farmácias, mercados e hospitais, podem abrir. Outras cidades estão com restrições muito severas.

Neste cenário, como ficam as academias, boxes de cross training e studios?

Foi pensando nisso que Tecnofit, Luis Amoroso, Fitness Brasil e IHRSA uniram forças para lançar uma pesquisa visando entender o atual momento dos negócios fitness frente ao Covid-19.

A Pesquisa

Distribuída de forma totalmente online, a pesquisa rodou o Brasil nos primeiros meses de 2021. A ideia da mesma era entender como o mercado fitness estava lidando com o Covid-19, tendo em vista que neste período várias cidades já estavam enfrentando duras restrições.

Intitulada “Os ambientes fitness estão ajudando a propagação do Covid-19?”, a pesquisa continha 15 perguntas e levava, em média, 2 minutos para ser respondida. Os respondentes não receberam nenhum tipo de incentivo financeiro para preenchê-la.

Respondida por centenas de gestores fitness dos mais diversos segmentos, essa pesquisa serviu de base para a criação do relatório “Covid-19 e o Mercado Fitness: entenda o cenário atual”.

Você pode baixar esse relatório gratuitamente através deste link: Covid-19 e o Mercado Fitness: entenda o cenário atual.

Insights para o mercado fitness

Tipo de estabelecimento

Em relação ao tipo de estabelecimento, a maior parte dos respondentes são gestores de academias (33,7%) e boxes de cross training ou treinamento funcional (30,7%).

Gestores de studios representaram 18% dos respondentes. Vale ressaltar que, nessa categoria, entram studios de pilates, pole dance, yoga e afins. Ou seja, nem todos são considerados serviços essenciais pelas autoridades estaduais.

Escolas de natação, personais trainers e academias de artes marciais, juntas, somaram 13,5% do total de respostas.

Das pessoas que responderam à pesquisa, 36,1% delas estão à frente de um negócio com mais de 151 alunos. E mais de 80% delas têm uma equipe igual ou inferior a 10 colaboradores.

Restrições decorrentes do Covid-19

A pesquisa esteve em circulação durante os meses de janeiro, fevereiro e na primeira semana de março. Durante esse período, a maior parte dos negócios estavam funcionando sob vigência da bandeira amarela (40,5%).

É importante ressaltar que as restrições impostas pelas bandeiras não são iguais em todos os estados. Por exemplo, a bandeira amarela em São Paulo pode não apresentar as mesmas restrições da bandeira amarela no Paraná. O mesmo acontece para as outras cores.

28,5% sinalizaram estarem atuando na bandeira laranja e outros 22,7% na bandeira vermelha. Apenas 4,1% dos respondentes disseram estar sem restrições, ou seja, bandeira verde.

As autoridades estaduais têm liberdade de alterar a cor das bandeiras quando julgarem necessário. Logo, dependendo da época em que você estiver lendo este artigo, algumas coisas podem estar diferentes.

Segurança

Em uma outra pesquisa feita com mais de 21 mil alunos do segmento fitness em 2020, visando entender se já era seguro voltar aos treinos, 84% deles disseram estar muito satisfeitos com as medidas de segurança adotadas pelos estabelecimentos que frequentam.

Outro número que reforça isso são os alunos que se sentem extremamente seguros no ambiente de treino, 88% deles.

Essas duas informações vão ao encontro das medidas que todo o mercado fitness precisou adotar para se adequar às exigências das entidades competentes. Para descobrir quais medidas estão sendo mais seguidas pelos negócios fitness, faça o download do relatório completo.

Contaminações

Entre as perguntas contidas na pesquisa, constavam algumas sobre índice de contaminações, tanto de colaboradores quanto de alunos.

É interessante notar que os negócios que tiveram alunos ativos contaminados, foram em números baixíssimos. Por exemplo, mais de 85% afirmaram que esse número foi inferior a 10 alunos (lembrando que boa parte dos respondentes possuíam mais de 151 alunos).

Para entender mais sobre o cenário de alunos ativos contaminados, dentro e fora das unidades, assim como saber como estão os índices de contaminação em colaboradores fitness, leia o relatório completo.

O que esperar do futuro?

Assim como em 2020, o mercado fitness vai passar por um reaquecimento após a reabertura das empresas. Por isso, é fundamental que gestores já comecem a se preparar para esse momento vindouro.

Seja investindo em estratégias de marketing para atração de novos alunos ou melhorando o espaço físico da academia, este é o momento de organizar a casa para prosperar no futuro.

Inclusive, o relatório “Mercado Fitness frente ao Covid-19” vai gerar grandes insights no que tange a medidas de precaução. A segurança dos alunos passa, primeiramente, pela sensação de segurança. Logo, crie esse ambiente seguro.

Além disso, mantenha-se esperançoso, pois dias melhores virão!

Cada dia mais pessoas estão percebendo como a atividade física é parte vital de nossas vidas. Ou seja, no futuro, são pessoas que irão sair de sua zona de conforto e buscar treinar ativamente. O seu negócio precisa estar pronto para esse momento!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *