A falha é um processo para a vitória. Erre rápido e conserte rápido.

Todo empreendedor inovador e destrutivo já sabe ou deveria saber que nem sempre se tem a clareza absoluta do cenário e dos próximos passos. Naturalmente, essa nova geração de empreendedores tem aprendido a conviver com a gestão do famoso ”frio na barriga”. Entenda que um agente de transformação também é um gestor de riscos, e o “frio na barriga” faz parte do estilo de vida de quem quer ir além do convencional.

O fato é que os empresários e executivos mais bem-sucedidos do planeta têm muito envolvimento com o risco e o erro. Entretanto, existem erros fruto da falta de preparo e erros fruto do empreendedorismo.

O errar que vem depois do tentar, tem gerado muitas descobertas. Às vezes, errando um caminho na estrada você pode descobrir lugares lindos e impressionantes. No mundo dos negócios temos um case interessante: os famosos “porquinhos” para se guardar dinheiro surgiram de uma falha de comunicação.

Um consumidor entrou numa loja de produtos de cerâmica, na Inglaterra, e encomendou um cofre de pygg, que é um tipo de argila, mas o atendente entendeu que o rapaz queria um cofre de pig, que significa porco, em inglês. Quando o consumidor foi buscar o cofre seu filho pequeno, que o acompanhava, ficou maravilhado com o porquinho, e seu pai não teve coragem de reclamar. Logo esse produto caiu no gosto das pessoas, e o lojista entendeu o potencial desse “porquinho” e não parou de produzi-lo. Pense bem: o que um “porquinho” tem a ver com poupança? Nada. Foi um aprendizado após um erro.

O fato é que a falta de preparação que te leva ao erro é bem diferente da consequência da tentativa bem-intencionada. Por outro lado, hoje em dia vivemos uma rapidez generalizada e nos leva ao conceito do “erre rápido e conserte rápido”. Esse conceito tem sido cultivado no Vale Silício, berço mundial da tecnologia e da internet.

A lógica desse conceito parece bastante simples, pois quanto antes as ideias forem testadas, mais tempo terá para ajustar a rota ou começar do zero de novo, ou seja, essa máxima visa o encorajamento para o progresso. Em resumo, quando há visão sistêmica embutida no tentar, o erro vira um aprendizado e o empreender gera experiência.

No entanto, alguns aprendizados devem ser extraídos desse momento de avanço tecnológico que estamos vivendo. Talvez, o mais importante deles, deva ser: não tenha medo de correr riscos. Por outro lado, tenha habilidade para mudar a rota quando perceber que a decisão ou o caminho escolhido foi errado. Provavelmente, você vai errar muitas vezes, então erre o mais rápido que puder, para que você possa corrigir isso rapidamente, também. Afinal, só fracassa quem desiste.

Eduardo Oliveira

Gerente de Marketing Esportivo

Autor do livro: Vá e Vença. Idealize, acredite, empreenda.

www.livrovaevenca.com.br

@eduardo_nso

www.linkedin.com/in/eduardo-ns-oliveira

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *